Publicidade de cassinos online para crianças é absolutamente ilegal, alerta advogado

2 leitura mínima
Publicidade de cassinos online para crianças é absolutamente ilegal, alerta advogado

O Instituto Alana, organização voltada para os direitos das crianças, denunciou ao Ministério Público de São Paulo que perfis de cassinos online estão usando  influenciadores mirins, menores de idade, para promover jogos de azar nas redes sociais.

O intuito dessa estratégia é atrair um público ainda mais jovem para o mundo das apostas, de acordo com João Francisco Coelho, advogado do programa Criança e Consumo do Instituto Alana.

“Direcionar qualquer tipo de publicidade para crianças é ilícito, na medida em que essas pessoas sequer têm a capacidade de compreender por completo a mensagem publicitária e formar um juízo crítico sobre ela”, afirmou Coelho em entrevista à CNN.

Ele ressaltou que, no caso de jogos de azar e cassinos online, a ilicitude é ainda maior, pois esses produtos e serviços têm o potencial de gerar uma série de prejuízos ao desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Impactos da exposição precoce

Segundo o advogado, o fato de as próprias crianças e adolescentes estarem divulgando essas casas de apostas torna a situação ainda mais preocupante, pois elas também se expõem aos riscos atrelados aos jogos, como o vício.

“Existem diversos estudos que mostram que os jogos de azar e jogos como máquinas de caça-níqueis produzem no cérebro humano efeitos parecidos com os das drogas”, explicou Coelho.

“Se isso é preocupante para qualquer pessoa, quando a gente pensa em crianças e adolescentes, isso é ainda mais preocupante, porque essas pessoas estão no momento do seu desenvolvimento cerebral em que a propensão ao vício é ainda mais acentuada do que nos adultos”, concluiu.

Os textos gerados por inteligência artificial na CNN Brasil são feitos com base nos cortes de vídeos dos jornais de sua programação. Todas as informações são apuradas e checadas por jornalistas. O texto final também passa pela revisão da equipe de jornalismo da CNN. Clique aqui para saber mais.