Polícia dispara contra manifestantes que tentavam invadir o parlamento do Quênia

3 leitura mínima
Polícia dispara contra manifestantes que tentavam invadir o parlamento do Quênia

A polícia disparou contra manifestantes que tentavam invadir o parlamento do Quênia nesta terça-feira (25), com pelo menos cinco manifestantes mortos e seções do edifício do parlamento incendiadas enquanto os legisladores no interior aprovavam uma lei para aumentar os impostos.

Em cenas caóticas, os manifestantes dominaram a polícia e expulsaram-na numa tentativa de invadir o complexo do parlamento. Chamas podiam ser vistas vindo de dentro.

A polícia disparou depois que o gás lacrimogêneo e canhões de água não conseguiram dispersar a multidão. Um jornalista da Reuters contou os corpos de pelo menos cinco manifestantes fora do parlamento.

“Queremos fechar o Parlamento e todos os deputados deveriam renunciar”, disse à Reuters um manifestante, Davis Tafari, que tentava entrar no prédio. “Teremos um novo governo.”

Protestos e confrontos também ocorreram em várias outras cidades e vilas do país.

O parlamento aprovou o projeto de lei financeiro, passando-o para uma terceira leitura pelos legisladores. O próximo passo é que a legislação seja enviada ao presidente para assinatura. Ele pode devolvê-lo ao parlamento se tiver alguma objeção.

Os manifestantes opõem-se aos aumentos de impostos num país que já se recupera de uma crise de custo de vida, e muitos também pedem a renúncia do presidente William Ruto.

Ruto venceu as eleições há quase dois anos com uma plataforma de defesa dos trabalhadores pobres do Quênia, mas foi apanhado entre as exigências concorrentes de credores como o Fundo Monetário Internacional, que pede que o governo reduza os déficits para ter acesso a mais financiamento, e uma população pressionada.

Os quenianos têm lutado para lidar com vários choques econômicos causados ​​pelo impacto persistente da pandemia da Covid-19, pela guerra na Ucrânia, por dois anos consecutivos de secas e pela desvalorização da moeda.

A lei financeira visa angariar mais 2,7 bilhões de dólares em impostos como parte de um esforço para aliviar a pesada carga da dívida, com o pagamento de juros por si só consumindo 37% das receitas anuais.

O governo já fez algumas concessões, prometendo eliminar os novos impostos propostos sobre o pão, o óleo de cozinha, a propriedade de automóveis e as transações financeiras. Mas isso não foi suficiente para satisfazer os manifestantes.