Ozempic e Wevogy: entenda como a semaglutida pode proteger o coração

8 leitura mínima
Ozempic e Wevogy: entenda como a semaglutida pode proteger o coração

A semaglutida, molécula presente em medicamentos para diabetes tipo 2 e para obesidade, — como o Ozempic e o Wegovy, respectivamente, fabricados pela Novo Nordisk — mostrou ter efeitos benéficos em pacientes com síndrome metabólica renal e pode se tornar um medicamento aliado na prevenção e tratamento de problemas cardiovasculares.

As descobertas foram feitas por estudos apresentados no 44º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) 2024, que ocorreu entre os dias 30 de maio e 1º de junho no Transamerica Expo Center, em São Paulo. No evento, a farmacêutica dinamarquesa realizou palestras para alertar sobre os riscos cardiovasculares associados ao diabetes e à obesidade, além de discutir o uso da semaglutida para a saúde cardiovascular.

A semaglutida é um agonista do receptor de peptídeo-1 semelhante ao glucagon (GLP-1) que atua na regulação do nível de glicemia e a promover maior sensação de saciedade. De acordo com Darren McGuire, cardiologista e pesquisador, explica que estudos já mostraram que existe uma associação entre inflamação e o risco de doença cardiovascular aterosclerótica, e que a semaglutida poderia exercer um efeito protetor contra eventos cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

Segundo o especialista, isso acontece devido ao seu efeito anti-inflamatório, o que está relacionado a desfechos favoráveis em pacientes com diabetes tipo 2 com alto risco para doenças cardiovasculares, pessoas com insuficiência cardíaca (com ou sem diabetes) e indivíduos com diabetes e doença renal crônica.

“A semaglutida fornece efeitos benéficos em todo o espectro de doenças cardiometabólicas. A molécula, utilizada para o tratamento de diabetes e obesidade, não é apenas capaz de controlar o açúcar no sangue e diminuir o peso corporal, mas também reduzir o risco cardiovascular”, comenta o cardiologista Luciano Drager.

O que os estudos dizem sobre semaglutida e redução no risco cardiovascular?

Essas conclusões são baseadas em dois estudos apresentados no congresso da SOGESP: o SELECT, que investigou os efeitos da semaglutida sobre os desfechos cardiovasculares em pessoas com sobrepeso e obesidade, e apontou redução de 20% no risco dessas condições; e o FLOW (Avaliação da Função Renal com Semaglutida uma vez por semana).

Os trabalhos também foram apresentados em congressos internacionais, como o Congresso Europeu de Obesidade (ECO), que aconteceu em Veneza, na Itália, e o congresso da European Renal Association (ERA), ocorrido em Estocolmo, na Suécia.

No estudo SELECT, pessoas com sobrepeso ou obesidade que tinham doenças cardiovasculares estabelecidas e foram tratadas com semaglutida 2,4 mg (concentração encontrada no Wegovy) apresentaram perda de peso robusta e sustentada, além de redução no risco de morte cardiovascular, por infarto do miocárdio ou AVC, independentemente do grau de perda de peso alcançada.

O estudo foi realizado com 17.604 adultos, em 41 países, com doença cardiovascular estabelecida e com sobrepeso ou obesidade, sem histórico prévio de diabetes. Eles foram acompanhados ao longo de 5 anos para demonstrar a superioridade da semaglutida em comparação com o placebo na redução da incidência de doenças cardiovasculares e de mortes por qualquer causa.

“Os estudos clínicos sobre a semaglutida são de suma relevância clínica, pois revelam sua capacidade de melhorar significativamente a qualidade de vida com proteção cardiovascular dos pacientes. A perda de peso desempenha um papel crucial nesse cenário, pois ajuda a mitigar os riscos cardiovasculares e metabólicos associados à obesidade”, destaca André Feldman, cardiologista do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, coordenador de Cardiologia na Rede D’Or São Luiz (SP) e doutor em Ciências Médicas pela USP/IDPC.

Relação entre Ozempic e saúde renal e cardíaca

A relação entre semaglutida 1 mg (concentração encontrada no Ozempic) e a melhor saúde renal e cardiovascular foi observada no estudo FLOW. Nele, a substância reduziu o risco de eventos graves de doença renal, desfechos cardiovasculares e mortalidade por todas as causas em pacientes com diabetes tipo 2 e doença renal crônica.

“Estes resultados são significativos, evidenciando que o rim e o coração caminham juntos. É nítido que o benefício da molécula, junto à perda de peso, faz diferença na saúde cardiovascular”, comentou o cardiologista Marcelo Assad.

O estudo FLOW envolveu 3.533 pacientes acompanhados por um período de 3,4 anos, em média. O trabalho visava avaliar a eficácia e segurança da semaglutida administrada uma vez por semana na prevenção de desfechos renais graves, especificamente insuficiência renal, perda substancial da função renal e morte por causas renais ou cardiovasculares.

Os participantes receberam semaglutida 1 mg uma vez por semana ou placebo, de maneira aleatória. Aqueles que receberam semaglutida tiveram uma redução de 24% no risco do desfecho primário composto, incluindo desfechos renais e morte por causas cardiovasculares e renais, em comparação com quem recebeu placebo. Essa redução de risco foi consistente tanto para desfechos renais quanto para morte cardiovascular.

Semaglutida e insuficiência cardíaca

Por fim, um terceiro estudo, também apresentado durante o congresso da SOGESP, investigou o uso da semaglutida 2,4 mg no tratamento da insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (um dos tipos de insuficiência cardíaca) em pacientes com obesidade, com e sem diabetes. O trabalho envolveu 1.146 participantes, sendo que 529 não tinham diabetes e 617 tinham a doença.

Segundo a pesquisa, a semaglutida 2,4 mg apresentou melhora significativa nos sintomas de insuficiência cardíaca, como a falta de ar, e nas limitações físicas causadas pela doença. Além disso, o medicamento também levou à perda de peso sustentada, mostrando que pode ser uma opção de tratamento da insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada relacionada à obesidade.

Novo Nordisk submeteu à Anvisa a inclusão dos benefícios cardiovasculares na bula do Wegovy

Em março deste ano, a Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, aprovou o pedido da farmacêutica Novo Nordisk para adicionar benefícios cardiovasculares ao rótulo do Wegovy, o que o tornou o primeiro medicamento para perda de peso a também ser liberado para reduzir o risco de ataque cardíaco, AVC ou morte relacionada ao coração. A decisão foi tomada com base nos resultados do estudo SELECT.

À CNN, a Novo Nordisk afirmou que também submeteu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), agência reguladora do Brasil, o inclusão dos benefícios cardiovasculares na bula do medicamento, também com base nos estudos publicados recentemente. O pedido ainda continua em análise, mas a esperança é de que o Wegovy possa ser utilizado no tratamento de pessoas com obesidade e doenças cardiovasculares estabelecidas.

Ozempic: veja riscos de usar o remédio para fins estéticos