20/03/2024 às 21h12min - Atualizada em 24/03/2024 às 00h01min

Casos de dengue seguem em alta, especialista explica como diferenciar os sintomas, inclusive da Covid 19

Médico da Select Operadora de Planos de Saúde fala sobre as queixas mais comuns e alerta para a automedicação

Jana Fogaça
www.vempradescomplica.com.br
Divulgação
O ano de 2024 trouxe consigo a explosão de casos de Dengue em todo o país, a doença já sinalizou 1.889.206 pessoas infectadas e 561 mortes confirmadas.
Embora as medidas de precaução sejam necessárias, é mais do que fundamental ficar atento aos sintomas das doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti, que podem ser facilmente confundidos com os da Covid 19.
“A Dengue e Chikungunya têm sintomas e sinais parecidos, enquanto a Dengue se destaca pelas dores nos corpo, a Chikungunya se destaca por dores e inchaço nas articulações. A Zika se destaca por uma febre mais baixa (ou ausência de febre), muitas manchas na pele a coceira no corpo, no entanto as três doenças são causadas pelo Aedes aegypti”, afirma o médico infectologista Rafael Carvalho, cooperado da Select.
O especialista diz que para diferenciar as doenças, é importante observar as características específicas de cada uma delas. “A dengue tem como sintomas febre alta, dor no corpo, dor muscular generalizada, dor de cabeça, dor retro-orbital, náusea, boca amarga, manchas na pele, fadiga muscular e pode evoluir para dengue hemorrágica, com queda de plaquetas e risco de sangramento.
Já a Chikungunya apresenta febre baixa, dor articular intensa nas juntas das articulações (punho, cotovelo, joelho), dificuldade de movimentação das mãos, sem problemas no fígado ou náusea. Suas complicações incluem quadro arrastado de dor articular que pode durar semanas a meses.
Por fim, a Zika traz consigo febre baixa, erupções cutâneas, conjuntivite, dores nas articulações, principalmente nas mãos e pés. Associada a complicações neurológicas, pode evoluir para a síndrome de Guillain-Barré em adultos, e microcefalia em bebês de mães infectadas durante a gravidez”, destaca o especialista.
No entanto, não são apenas as três doenças que podem confundir os pacientes. A Covid 19 segue presente e diferencia-se da dengue por apresentar sintomas respiratórios.
“Há casos de pessoas que além de dengue, estão também apresentando Covid ao mesmo tempo. O mosquito não pergunta se a pessoa está com Covid ou não. A diferença em relação a dengue são os sintomas respiratórios. A Covid dá uma gripe, coriza, dor de garganta, tosse, um quadro respiratório que inclui obstrução nasal”, detalha.
Por fim, o médico faz um alerta para a automedicação, que pode piorar os quadros. “A automedicação é muito perigosa, principalmente se a pessoa tomar anti-inflamatório. Nos casos de dengue, pode agravar o quadro do fígado. O vírus da dengue causa hepatite e a medicação errada pode causar sangramento. Antibióticos, anti-inflamatórios e até antialérgicos podem fazer mal em pacientes com dengue. É importante observar atentamente os sintomas e buscar orientação médica para um diagnóstico preciso e tratamento adequado”, conclui Dr. Rafael.

Sobre a Select
Atuando há mais de 30 anos no mercado de saúde suplementar no Brasil, a Planmed mira novos horizontes ao migrar para Select Operadora de Planos de Saúde, incorporando novos produtos e serviços ao seu portifólio, expandindo atendimento para além dos limites do estado de Goiás, com foco em atendimento nacional, com rede própria e credenciada e um leque de prestadores de serviços, além de investimento em toda a estrutura, o que a torna uma das gigantes em planos de saúde no Brasil.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.