12/03/2023 às 13h10min - Atualizada em 16/03/2023 às 00h02min

Chico da Silva: A Boca do Mundo | Galeria BASE

SALA DA NOTÍCIA Silvia Balady
divulgação
Chico da Silva: A Boca do Mundo
“um movimento involuntário... um ato de desobediência que se insurge contra os modelos pré-estabelecidos”
 
A Galeria Base, de Daniel Maranhão, abre sua agenda de 2023 com a mostra “Chico da Silva: A Boca do Mundo”, em comemoração ao centenário do artista, com cerca de 20 pinturas a guache sobre papel, da década de 1960, período considerado como um dos mais representativos em sua trajetória. Pássaros, dragões, peixes, criaturas nada passivas mas de colorido vibrante, com posturas proativas, são grande parte da criação espontânea do universo de Chico da Silva desde seus primeiros traços em tijolo ou carvão nas paredes das casas da Praia do Pirambu, Fortaleza, para onde a família se mudou quando o artista ainda era muito jovem.
Nas palavras do pesquisador Bitu Cassundé, que assina o texto crítico da Exposição “Chico constrói através da sua visualidade uma importante caligrafia que abarca uma natureza e uma animalidade fabular inserida numa cosmologia na qual a figura humana pouco aparece e seres de diferentes espécies, reais ou não,  habitam um território de disputas e conflitos”.
O título da exposição - “Chico da Silva: A Boca do Mundo” - faz alusão às figuras pintadas pelo artista, geralmente com bocas abertas, em posição de ataque ou defesa. Ainda segundo Cassundé “As relações que se estabelecem indicam a defesa do território, as brigas pelo alimento, a proteção e o acolhimento das crias, assim como a boca que rege e orquestra diferentes coreografias e performatividades”
A Galeria Base tem como um dos pilares de sua pesquisa, a (re)descoberta de importantes artistas que, por motivos diversos, caem no esquecimento. “No sentir de Cassundé, ‘a história da arte brasileira é constituída por inúmeras lacunas e invisibilidades que compõem violentas narrativas de apagamentos’, e Chico é um bom exemplo”, explica Daniel Maranhão. A exposição ressalta a importância deste artista indígena, cujas obras das décadas de 1950 e 1960 percorreram o mundo, tendo como ápice sua participação na Bienal de Veneza (ITA), oportunidade na qual, foi criado um prêmio inédito, para condecorá-lo. Como consequência dessas ações, “...nota-se atualmente um forte movimento de reposicionamento da obra de Chico da Silva, não só no Brasil como no exterior”, diz Maranhão. No início deste ano, a Tate Gallery (Londres, ING), adquiriu um painel do artista para seu acervo e, a Pinacoteca de São Paulo (SP), alinhada a esse movimento, exibe uma mostra individual do artista, onde a Galeria Base colabora com a cessão de obras.
O momento de exibir Chico da Silva: A Boca do Mundo” é mais que oportuno pois se trata de um “instigante conjunto que evidencia o signo da boca na obra de Chico da Silva; a boca como estratégia de sobrevivência e de vida” conclui Cassundé.
 
A minha pintura é a minha própria linguagem. Sobre o sentido da alegria que sinto, ela é grande e, sobre a beleza que vejo no matizado das cores, ela é rica. O que sai do meu coração é rico e bonito; eu é que sou feio e pobre.” Chico da Silva

Para texto e imagens, clique AQUI

Exposição: “Chico da Silva: A Boca do Mundo "
Artista: Chico da Silva
Texto Crítico: Bitu Cassundé
Coordenação Artística: Daniel Maranhão
Montagem: Harpia Design e Produções
Abertura: 18 de março – sábado- das 12 às 16hs.
Período: de 21 de março a 15 de abril de 2023
Horário: de terça a sexta-feira, das 11hs às 19hs; sábado, das 11hs às 15hs.
Local: Galeria BASE
Endereço: Al Franca 1030, Jardim Paulista || 01422-002 | São Paulo, SP
Telefone: (11) 3062 6230 || WhatsApp (11) 98327 9775

E-mail: [email protected]
Site:  http://www.galeriabase.com
Instagram: https://www.instagram.com/galeriabase/
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.