02/03/2023 às 19h58min - Atualizada em 03/03/2023 às 00h00min

Prateleira infinita e experiências imersivas são os grandes desafios do varejo em 2023

Home Depot tem megalojas de 10.000m2, mas só consegue oferecer, aproximadamente, 35.000 itens presencialmente

SALA DA NOTÍCIA Redação
Pixabay

O varejo brasileiro vem crescendo exponencialmente, em especial o mercado de e-commerce. O levantamento feito pela pesquisa “Latin America 2022”, da Retail X (Reino Unido) – baseado em dados do e-commerce nos países da América Latina – reforça e destaca que o comércio eletrônico brasileiro cresceu US$ 8,1 bilhões em 2022, comparado ao  ano anterior. 

Com a pandemia da Covid-19, desde 2020, o comércio eletrônico ganhou força para se desenvolver, o que fez com que o foco de muitas empresas passasse a ser a transformação digital. “Com o processo de transformação digital, o desafio das empresas tem sido promover mudanças internas, visando a melhoria dos processos logísticos focados na fidelização e otimização da experiência dos usuários, pois o valor das lojas físicas, sempre foram garantir a melhor experiência para o consumidor, isso sempre teve relação com qualidade do atendimento, organização da loja, mix de produtos, estratégias promocionais”, explica o diretor de Estratégia da 80 20 Marketing e especialista em negócios digitais no Metaverso, Kenneth Corrêa, que conduziu um grupo de brasileiros a NRF  2023.

De acordo com o especialista, as pessoas estão passando cada vez mais tempo conectadas. Recente relatório da We Are Use, divulgado em janeiro deste ano, mostrou que os usuários de internet de todo o mundo, com idades entre 16 e 64 anos, passam em média 5 horas e 47 minutos conectados, sendo que 2 horas e 52 minutos são utilizadas para as redes sociais. Porém, esse número total de horas conectadas é muito maior no Brasil, segundo país que mais fica conectado em todo o mundo - 9 horas e 32 minutos - atrás apenas da África do Sul. 

Portanto, é preciso que o varejo esteja atento às novas necessidades desse público, que está cada vez mais exigente. “Com os consumidores cada vez mais digitalizados, fazendo uso de novos dispositivos e passando cada vez mais tempo em realidades alternativas e imersivas como games, metaverso e redes sociais, por exemplo, é importante que o varejo também esteja presente nestes espaços, caso contrário perderá clientes”, ressalta Kenneth.

Foco nas experiências imersivas 

Considerando que, até 2026, 25% das pessoas passarão pelo menos uma hora por dia no metaverso para trabalho, compras, educação, social e/ou entretenimento, conforme destaca o relatório da empresa de consultoria em tecnologia, Gartner, é imprescindível que as empresas entendam melhor o mundo do XR/AR/VR (realidades mista, aumentada e imersiva).

“É extremamente importante que as empresas busquem melhorar a visualização e interação de seus produtos 3D dentro do aplicativo da loja, seja criando espaços instagramáveis para que o consumidor produza conteúdo, ou até mesmo permitir novas experiências como a implantação de hologramas em produtos de prateleira, que estão mais acessíveis hoje em dia”, explica o especialista em metaverso.

Outro ponto que precisa de atenção é o uso de avatares, em que o cliente pode criar sua versão pessoal no metaverso e provar roupas e acessórios diretamente no avatar, o que possibilita ver o caimento das peças e a combinação do visual com outros acessórios.

As prateleiras infinitas também serão uma grande tendência do e-commerce, portanto, a empresa que explorar melhor este conceito terá grande vantagem competitiva. “Na NRF 2023, várias empresas já têm soluções baseadas neste conceito, a ideia é que o cliente comece visitando a loja física, mas com uso de óculos de realidade virtual, ou QR codes com realidade aumentada, consiga acessar um catálogo muito maior de produtos, vivendo assim uma experiência imersiva”, conclui Kenneth.

De acordo com o especialista em negócios digitais, a gigante do setor de construção, Home Depot, por exemplo, tem megalojas de 10.000m2, mas só consegue oferecer, aproximadamente, 35.000 itens presencialmente, enquanto seu catálogo online tem 1.000.000 de itens (28x mais produtos).

De uma forma geral, o que podemos observar é que as tendências do varejo estão centradas na experiência de compra, onde proporcionar uma experiência imersiva é o grande diferencial e principal desafio.

 

 

Kenneth CorrêaDiretor de Estratégia da 80 20 Marketing e especialista em negócios digitais, novas tecnologias, marketing, inteligência competitiva e Metaverso. Professor de MBA da FGV, professor e palestrante pela Digital House e Por Exemplo. Há 15 anos desenvolve e monitora projetos de marketing e tecnologia, atendendo empresas como: Suzano, Thermo Fisher Scientific, Elanco Saúde Animal e Mosaic Fertilizantes.

 

Informações à imprensa:
Temma Agência - Relações Públicas e Marketing Digital
Viviane Mendes - [email protected] - 011 9.5447-0889
Stefani Pereira - [email protected] - 011 9.8077-0105


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.