21/06/2023 às 17h01min - Atualizada em 22/06/2023 às 00h04min

A mudança de rotina durante as férias pode ser difícil para crianças com TEA

Keyla Ferrari, é graduada em Pedagogia e especializada em Educação Especial, e comenta a melhor forma de aproveitar as férias com crianças com deficiência

SALA DA NOTÍCIA Bueno Imprensa e Comunicação
Keyla Ferrari Lopes

As férias escolares podem ser uma grande mudança na rotina de crianças com deficiências. E o trabalho feito com as crianças, que no dia dia é dividido com a escola, pode sobrecarregar os pais e responsáveis dentro de casa. Por isso, a Professora Keyla alerta para a importância da conexão entre pais e filhos, principalmente no período de recesso e cita que “As atividades escolares são muito importantes para as crianças, no sentido de interação e de inclusão. Contudo, também o descanso e o convívio familiar se fazem necessários”. 

A alteração no cronograma durante o período de recesso das aulas pode ser muito cansativo para os responsáveis, mas é desgastante, principalmente, para as crianças. Keyla cita que, “A mudança de rotina com as férias dificulta bastante o dia a dia das crianças com deficiência, principalmente aquelas que têm o Transtorno do Espectro Autista. Por que elas precisam muito da rotina, e parar de ir às aulas desorganiza bastante a rotina diária dessas crianças”. 

Então, além da reorganização da rotina, a professora dá algumas dicas para os pais que desejam ter um período de mais lazer e tranquilidade com seus filhos. “Dicas que eu deixo para que as férias sejam tranquilas e prazerosas é que os pais busquem brincar, fazer uma receita de bolo com a criança. Fazer interações corporais com música, dança e atividades adaptadas” Keyla ainda acrescenta, “e passear. Procurar lugares que tenham bastante natureza, locais não muito barulhentos, principalmente para crianças com o TEA, evitar lugares muito agitados”. 

Keyla Ferrari também é autora do livro "Dance com ele”, que contém práticas e interações corporais entre mães e filhos com deficiências. Então, comenta que para a conexão entre os pais e filhos, principalmente durante esse período de férias, a dança tem um papel fundamental. “Dançar é expressar, é a conexão. Então quando você dança com seu filho além de você trazer alegria, prazer e serotonina, você está estabelecendo vínculos". A professora ainda afirma que: “As músicas escolhidas formam memórias afetivas, e quando você trabalha o corpo você aceita o seu corpo e o corpo do seu filho”.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.