21/06/2023 às 18h05min - Atualizada em 22/06/2023 às 00h01min

Salto alto: uso constante causa problemas na coluna vertebral

Altura, formato e tempo de uso dos calçados são fatores que acarretam disfunções musculoesqueléticas

SALA DA NOTÍCIA Thainá Zelante Cordeiro

Quem não dispensa um sapato alto certamente já ouviu críticas quanto ao uso constante do salto e os males que pode causar à estrutura corporal. Isso porque, a altura do calçado altera a angulação da coluna, exigindo maior equilíbrio no caminhar. Mas, será que é preciso eliminar esse acessório elegante do guarda-roupa para manter a saúde da estrutura corporal? 

Ciro Sena, coordenador do curso de Fisioterapeuta, da Faculdade Anhanguera, explica que o salto não é um mal para a coluna. “O problema não é o salto, mas a altura, o formato e o tempo de uso. Estes são, sem dúvida, fatores que colaboram para disfunções na coluna vertebral. É essencial escolher sapatos de salto que sejam confortáveis, com uma altura adequada e uma boa sustentação para os pés. O uso de palmilhas ortopédicas ou almofadas de gel também pode ajudar a distribuir a pressão nos pés de forma mais equilibrada”.  

Um artigo publicado no Brazilian Journal em 2021, avaliou o impacto do uso dos calçados com salto em mulheres com idade entre 18 e 35 anos. Os estudos descrevem que o início do uso de calçados com saltos ocorre na pré-adolescência com altura em torno de 2,5 cm, evoluindo para saltos predominantemente altos (13,5 cm) aos 23 anos de idade, mantendo-se até aos 30 anos, quando começam a reduzir a altura do salto em busca de maior conforto.  Cerca de 57% do peso corporal é distribuído sobre região posterior do pé e 43% sobre região anterior, sendo esses valores alterados de acordo com o tipo de calçado e o grau de elevação do salto desencadeando disfunções musculoesqueléticas.  

O uso de salto provoca a elevação do calcanhar e, com a inclinação do corpo para a frente, a distribuição do peso se concentra no joelho e força a lombar, o que pode gerar dores. Os músculos do calcanhar também ficam menos flexíveis, tendo em vista que podem ser comprimidos. “As dores nas articulações da coluna, pernas e pés que podem estar relacionadas aos sapatos devem ser observadas quando iniciam, por exemplo, após um longo dia em pé (acima de 6 horas) ou após uma longa caminhada. Se a dor persistir por mais de uma semana mesmo com a troca de calçado, é hora de procurar um especialista médico ou fisioterapeuta que avaliará a causa do desconforto e dará o diagnóstico e tratamento adequado”, alerta Ciro. 

O especialista destaca que a ausência total de salto também pode causar a dor, mesmo que em proporção menor, se comparado ao salto alto. O formato “rasteira” não amortece o impacto durante a caminhada e acaba levando ao desgaste nas cartilagens dos tornozelos, joelhos, quadris e lombar. O ideal é que não sejam utilizados por muito tempo ou para caminhadas longas.  

Qual o calçado ideal? 

Aliar conforto e beleza é possível, afirma a especialista. “É recomendável que o salto adequado tenha até 5 centímetros de altura e, de preferência, largo - o que gera maior estabilidade. O modelo deve dar apoio para o arco plantar (a curva dos pés), não deve comprimir, nem ficar largo demais. A moderação e o cuidado com a postura, além do fortalecimento muscular adequado, são fundamentais para minimizar os impactos negativos do uso de salto alto.”, completa. 

Algumas disfunções podem surgir devido ao uso dos sapatos inadequados. “Fascite plantar, lombalgia, encurtamento muscular do tríceps sural (músculo da panturrilha), agravamento do joanete e alterações posturais compensatórias, entre outras”, alerta o coordenador. Em casos de dor já identificada, a dica é realizar fortalecimento e alongamentos musculares constantemente sob orientação de um profissional capacitado.  

Sobre a Anhanguera      

Fundada em 1994, a Anhanguera faz parte da vida de milhares de alunos, oferecendo educação de qualidade e conteúdo compatível com as necessidades do mercado de trabalho, em seus cursos de graduação, pós-graduação e extensão, presenciais ou a distância. Em 2023, passou a ser a principal marca de ensino superior da Cogna Educação, com o processo de unificação das instituições, visando o conceito lifelong learning, no qual proporciona acesso à educação em todas as fases da jornada do aluno. 
 
A instituição ampliou seu portfólio, disponibilizando novas opções para cursos Livres; preparatórios, com destaque para o Intensivo OAB (Ordem dos Advogados do Brasil); profissionalizantes, nas mais diversas áreas de atuação; EJA (Educação de Jovens e Adultos) e técnicos. 
 
Com grande penetração no Brasil, a Anhanguera está presente em todas as regiões com 112 unidades próprias e 1.398 polos em todo o país. A instituição presta inúmeros serviços à população por meio das Clínicas-Escola, na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Anhanguera tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais.

Acesse o site e o blog para mais informações.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.