20/06/2023 às 16h42min - Atualizada em 21/06/2023 às 00h01min

Alterações causadas com chegada da menopausa aumentam o risco de infarto nas mulheres

Náusea, fadiga, indigestão, ansiedade e tontura são alguns dos sintomas de problemas cardíacos nas mulheres após o período

SALA DA NOTÍCIA Mariana Garrett Paker Rodrigues
FreePik

Alterações causadas com chegada da menopausa aumentam o risco de infarto nas mulheres

Náusea, fadiga, indigestão, ansiedade e tontura são alguns dos sintomas de problemas cardíacos nas mulheres após o período

A menopausa é uma jornada incrível na vida de uma mulher, mas também traz consigo mudanças importantes, inclusive aumentando seu risco de infarto. Em média, elas começam na menopausa após os 50 anos e quando chega esse período as chances de um ataque cardíaco aumentam para elas. Mulheres com menopausa precoce têm um risco muito superior a ter um infarto do que aquelas com menopausa tardia. 

Antes da menopausa, o risco de doenças cardíacas nas mulheres é muito menor do que nos homens. Porém, após a menopausa, esse fator se iguala. O risco começa a aumentar devido às alterações hormonais durante a menopausa, período em que a mulher deixa de menstruar. É provável que isso aconteça, pois a mulher deixa de produzir o estrogênio, um hormônio vaso protetor, que reduz o LDL e melhora o HDL, que é o colesterol bom, além de ser o responsável por proteger os vasos sanguíneos. Por isso é tão importante que as mulheres estejam bem quando fizerem a menopausa. O estrogênio também é muito importante para a saúde do coração, ossos e cérebro, tanto de homens quanto de mulheres.

“Precisamos alertar para o impacto da menopausa no risco cardiovascular e a importância de cuidar do coração. Realizar atividade física, manter uma alimentação saudável, ficar dentro do peso, são alguns fatores que ajudam as mulheres a estarem bem quando a hora chegar reduzindo, assim, seu risco de infarto e AVC”, afirma o Dr. Rizzieri Gomes, médico cardiologista, focado na mudança do estilo de vida (MEV) de seus pacientes. “Tome cuidado, cuide bem da sua saúde, pois infelizmente a sua produção de estrogênio não irá se manter nos mesmos níveis para sempre”, completa o médico. 

Além disso, as mulheres nesse período de suas vidas podem não apresentar os sintomas clássicos de infarto, como aperto no peito, dor no braço, formigamentos, falta de ar e outros. Para as mulheres nessa fase da vida, os sintomas podem envolver náusea, fadiga, indigestão, ansiedade e tontura. Apesar de não serem comuns, esses sintomas não podem ser ignorados. 

O Dr. Rizzieri Gomes traz cinco dicas que podem ajudar as mulheres a se prevenirem:

  • Mantenha-se ativa e faça exercícios regularmente; 

  • Adote uma alimentação balanceada e nutritiva; 

  • Priorize o sono e o descanso adequados; 

  • Gerencie o estresse e encontre maneiras saudáveis de relaxar; 

  • Faça check-ups regulares e converse com seu médico sobre sua saúde cardiovascular.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.