15/06/2023 às 12h36min - Atualizada em 20/06/2023 às 14h56min

Cia Teatro Documentário apresenta

Encenação Cavalo Bravo Não Se Amansa

SALA DA NOTÍCIA Juliana Matheus
A Companhia Teatro Documentário realiza a Encenação Cavalo Bravo Não Se Amansa, são 20 apresentações gratuitas que fazem parte do projeto O Teatro na Encruzilhada que foi contemplado com a 38° Edição da Lei Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. Acontece de 17 de junho a 22 de julho, aos sábados e domingos,  duas sessões por dia, às 14h e às 16h, no Viaduto Júlio Mesquita Filho, Bela Vista.
A Encenação é o resultado final de uma série de ações cênicas documentais, em espaços públicos que foi realizada em seis bairros da cidade: Barra Funda, Bixiga, Mooca, Bela Vista, Jardim Oriental e Santana, durante os meses de outubro e novembro de 2022. Assinada por Marcelo Soler, doutor e mestre em artes cênicas pela ECA/USP e responsável pela publicação “Teatro Documentário: a pedagogia da não ficção”, de 2010.
 
Sobre o Processo

A Cia. Teatro Documentário selecionou entre os participantes das oficinas oferecidas ao longo do processo de pesquisa para criação cênica, profissionais teatrais, estudantes de teatro e pessoas que nunca tinham adentrado a cena para serem artistas convidados e participarem desse cruzamento. A encenação conta ainda com músicos, mediadores e mais de 20 atores, representantes da vizinhança e os espectadores também são participantes.
 
+ Encenação Cavalo bravo não se amansa

Parte do fato documental relativo à morte de José Miranda Rosa, “Mineirinho”, que foi morto em uma chacina de policiais, no Rio de Janeiro, em 1 de maio de 1962, segurando a guia de Ogum, descalço e com uma oração de Santo Antônio (no sincretismo associado a Exu). Ele era considerado no Morro da Mangueira o “Robin Hood” da comunidade. Clarice Lispector publicou uma crônica em que ela mostra sua indignação com a execução.
 
A falta de documentação guiou à encenação a trazer elementos da crônica de Clarice e trechos das reportagens da época: um choque entre a poesia e a escrita sanguinolenta dos jornais a procura de consumidores ávidos pela figura do criminoso, transformado em anti-herói, numa narrativa em que o questionamento e porquês das causas são esquecidos em detrimento do espetáculo sensacionalista. A figura do malandro, o resgate dos elementos presentes principalmente na Umbanda (porto seguro de Mineirinho), o samba, a reunião de atuadores, atuadoras e plateia num território reconstruído sob a ação da comunidade local, propõe um acontecimento em que se sobrepõe o encantamento de José à narrativa hegemônica ligando a cultura da encruzilhada ao macabro.
 
“Durante todo o processo, a ideia foi sentir e vivenciar a cultura da encruzilhada e como ela impacta e em uma encruzilhada uma fresta na cidade resgatamos a memória de José Miranda Rosa. Utilizamos elementos documentais que cruzam a narrativa e resolvemos não alimentar imaginários com o policialesco, por mais que ele apareça”, afirma o diretor da cia, Marcelo Soler.

Serviço:        
Onde: Viaduto Júlio Mesquita Filho (entre as encruzilhadas da Rua Major Diogo e Prof. Laerte Ramos de Carvalho - Bela Vista);
Classificação: 12 anos;
Duração: 75 minutos;
Quando: Junho: 17, 18 e 25;
Julho: 01, 02, 08, 09, 15, 16 e 22;
Sábados e domingos;
Sessões às 14h e às 16h.
 
* Entrada franca.
* Recomendado chegar com 30 minutos de antecedência ao local.
* Em caso de chuva, não haverá apresentação.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.