27/04/2023 às 10h21min - Atualizada em 01/05/2023 às 00h01min

Mulheres têm risco maior de desenvolver trombose, da menstruação até a menopausa, alerta FEBRASGO

A doença é uma das principais causas de morte em pessoas com pré-disposição a doenças cardiovasculares

SALA DA NOTÍCIA Redação
Foto Divulgação

Dia Nacional da Mulher é celebrado anualmente em 30 de abril no Brasil, em homenagem ao nascimento de Jerônima Mesquita, em 1880, considerada uma liderança pioneira na luta pelos direitos das mulheres na época. Sendo mais uma data para reforçar questões que envolvem o universo da mulher, é um momento oportuno para debater, por exemplo, sobre encaminhamentos e prevenção para problemas que costumam ser mais comuns entre elas, como é o caso da trombose.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são as principais causas preveníveis de morte em todo o mundo. Estima-se que a trombose arterial seja a principal causa de mortalidade em países desenvolvidos, seguida pelo câncer e pela trombose venosa. Por isso, foi estabelecida uma meta global de redução das mortes não infecciosas, com foco, principalmente, na redução da trombose, em até 25%, até 2025.

A Dra. Venina Viana, presidente da Comissão de Tromboembolismo Venoso e Hemorragia na Mulher da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), destaca que as mulheres têm maior risco de trombose do que os homens, no período que se inicia com a primeira menstruação até a menopausa. Contudo, após os 60 anos, homens e mulheres têm uma incidência igual.

Os principais sintomas da trombose são dores, inchaço e vermelhidão nas pernas, sendo que algumas pacientes podem apresentar apenas inchaço e dor, sem vermelhidão. É válido lembrar também que sempre é importante dar atenção ao risco de trombose quando for ao hospital ou ficar hospitalizado. Portanto, é importante procurar atendimento médico diante de qualquer dor atípica na perna.

A prevenção da trombose envolve cuidados ao longo de toda a vida. A Dra. Venina ressalta que a melhor forma de prevenir a doença é manter um peso saudável, praticar atividade física regular e manter-se hidratado. Além disso, é importante consultar o médico antes de iniciar o uso de pílulas anticoncepcionais, escolhendo a opção mais adequada de acordo com idade e situação clínica.

Cabe ao profissional que lida com a saúde da mulher, lembrá-la que o uso de hormônios femininos, como anticoncepcionais ou reposições hormonais orais, podem representar um fator de risco para a incidência de trombose, mas este diagnóstico é feito caso a caso. Durante a gravidez e logo após o parto, é fundamental avaliar o risco de trombose com o obstetra.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://jornalfluminense.com.br/.